Você está aqui: Página Inicial Notícias Notícias do Site Criminal Ex-secretário de Caxias (RJ) que negou dados ao MPF é condenado
Ex-secretário de Caxias (RJ) que negou dados ao MPF é condenado
7/6/2013

Decisão unânime acolhe parecer contra absolvição de José Miguel da Silva

Numa ação promovida pelo Ministério Público Federal (MPF), o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) condenou o ex-secretário de Meio Ambiente de Duque de Caxias José Miguel da Silva a um ano de reclusão e multa por não ter prestado dados técnicos cobrados pelo MPF numa investigação. O tribunal acompanhou o parecer da Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR2), dando razão ao recurso do MPF na Baixada Fluminense contra a absolvição (processo 20105110006594-9). Em 2008, o réu recusou-se a entregar documentos para um inquérito civil sobre uma licença ambiental concedida sem todas as exigências legais. O caso envolvia autorização da prefeitura para construção de uma pista para motocross em área que faz parte da Reserva Biológica do Tinguá.

A condenação unânime pelos desembargadores da 2ª turma do TRF2, que pode ser convertida numa pena restritiva de direitos, foi considerada um marco pela PRR2, pois reforma uma sentença da 4ª Vara Federal de São João de Meriti que mantinha impune um crime descrito pela Lei de Ação Civil Pública: a omissão dolosa na prestação de dados técnicos indispensáveis para o Ministério Público propor ação civil pública (Lei nº 7.347/1985, art. 10). Ao omitir dados técnicos requisitados por membros do MP, os investigados reduzem as chances de sucesso das respectivas ações civis públicas.

“Reafirmar que é crime obstruir as investigações do Ministério Público, intencionalmente, é uma importante vitória para a instituição e para a sociedade", diz o procurador regional da República Rogério Nascimento, autor do parecer acolhido. "O caso também revela que, hoje, o Ministério Público e a Justiça têm levado muito à sério a defesa do meio ambiente".

No parecer, a PRR2 sustentou o recurso da Procuradoria em primeira instância no sentido de que, durante a gestão do réu na Secretaria, o MPF reiterou cinco vezes o pedido de dados sobre uma vistoria da Divisão de Geotécnica municipal, a fim de esclarecer sobre uma licença para acerto de terreno, sem obter uma explicação aceitável para que os dados não fossem fornecidos. Durante o processo, José Miguel da Silva atribuiu a conduta à desorganização da Secretaria, ao extravio de processos e a uma perseguição política sobre ele.


Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria Regional da República - 2ª Região | Procuradoria Regional Eleitoral/RJ
Tel.: (21) 3554-9199
Twitter: @mpf_prr2

Ferramentas Pessoais